Monday, January 22, 2007

Quem quer um banco como o meu, quem quer?

Sempre que abro a carteira e vejo o meu multibanquinhas no topo dos cartões do oftalmologista da biblioteca e do cartão de pontos de combutível esboço-lhe um sorriso maroto, cúmplice, assim como o que partilho com alguém que sabe de mim alguns segreditos. O meu multibanquinhas é o meu herói, o plástico que faz de mim alguém, o meu melhor aliado masculino nas compras desnecessárias. O meu multibanquinhas é simplesmente um máximo, assim como o multi-dono é um máximo e me faz a mim sentir um máximo! Sinto-me uma verdadeira princesa sempre que vou a casa do multi-dono com as multipossíbidades me oferece através do meu multibanquinhas. Eu que nem sou, nem de perto nem de longe, até me sinto uma multimilionária…

Na quarta-feira (16) perdi o multibanquinhas. Não sei muito bem como, sei que o procurei no topo dos cartões e ele não estava lá. Vasculhei no meio dos cartões e o coraçãozinho inquietou-se-me porque não o vi. Depois de uma des-organização intensiva ao meu studiozinho, umas chamadas carríssimas e uns lágrimitas no canto do olho lá me resignei a telefonar para a senhora operadora de serviço que com uma voz assustadoramente contente me anunciou ‘o seu cartão está agora cancelado, agora nem que o encontre de novo o poderá utilizar, pode destruí-lo..’ Oh, o meu querido multibanquinhas, perdido e abandonado por esta cidade…

Na sexta-feira (19, dois dias depois) eis que o multi-dono me faz mais uma surpresinha: recebo um novo multibanquinhas, lindo, com as letras todas pretinhas, em óptimo estado, e sabem que mais? Não pago mais por isso! Quem quer um banco como é meu, quem quer?

1 comment:

edelweiss said...

Será um banco suíço?