Friday, May 25, 2007

um post estranho num dia estranho.

É bom sentir que os pequenos esforços resultam. É estranho perceber que em muitas vezes não interessa fazer muito, interessa fazer bem; tenho passado muito menos tempo que o habitual no laboratório, e tenho tido muito mais resultados do que o habitual. Estou numa fase propícia? Sim estou. Mas também estou mais descontraída, menos desmoralizante comigo própria. Tenho valorizado muito mais as pequenas conquistas e tenho mantido a mente muito mais fresca para aproveitar a vida.
É assim que as pessoas calmas vivem?
É que (confesso) já estou a precisar de animação. Sinto-me bem (realizada), mas mole.
Talvez seja do tempo (by the way, está cá uma bufa de ar quente!), mas sinto-me lenta..
oh, vou ali almoçar ao Borough market que isto já me passa...tá aqui uma pessoa a reclamar da vida boa...

6 comments:

SP said...

Boa tarde,

Sou uma leitora assidua do teu blog. Posso abusar dos teus conhecimentos e perguntar-te uma coisa?
Estou a ler um artigo para um trabalho q estou a fazer e não percebo uma expressao q aparece constantemente.."to select a proper parent strain"..

Olha desculpa o abuso.. ja dei volta a dicionários e este tipo de ingles tecnico, não se encontra facilmente descrito, so por isso, estou-te a melgar.

Obrigada

Cromossoma X said...

Olá Sp!!
espero que o meu comentário não venha já um pouco tarde :(
Mas a verdade é que me deixás-te assim "apanhada" com o teu comentário :)
Ok, então "proper parent strain", em que contexto?
estou a pensar, por ex. em bactérias (eu explico porquê; porque strains geralmente aparecem ligadas a bacterial strains, caso contrário especifica-se..).
Caso X não esteja a resultar uma das possibilidades possíveis para o resolver pode ser select a proper parent strain??!!
E se me desses uma dica to tópico do trabalho?!
gostava de ajudar :)

Anonymous said...

Ja tive de apresentar o artigo esta segunda, mas agradeço a disponibilidade que demonstraste para ajudar-me:)

O artigo era sobre a selecção de estirpes de S.cerevisiae para fermento de padeiro, com propriedades tecnologicas melhoradas.Aparecia constantemente ao longo do artigo a expressao "to select a proper parent strain".. ´traduzindo á letra parece q fala de estirpes parentais, mas não sei se fazia muito sentido traduzir assim.. Como leio o teu blog diáriamente e ja percebi q és "cromita" :) nestes assuntos lembrei-me de perguntar-te.

Obrigada pela atenção. A apresentação correu mais ou menos..a prof diz q percebeu q eu tinha entendido o artigo e o tinha explicado bem, mas os slides tinham muito texto...
Fiquei com a ideia q não gostou muito da minha apresentação..paciencia:/

SP said...

Ups..o anonimo é igual a SP:)

Cromossoma X said...

Ok, e já agora fica a minha ideia (não sei se será a mais correcta, mas é a que me ocorre de momento!)

O Fermento faz levendar o pão graças á acção de um fungo, tal como tu muito bem elucidás-te, o Saccharomyces cerevisiae
(que já agora é também a responsável pela fermentação do vinho!)

Entretanto já foram isoladas mais de 2500 linhagens de cerevisiae até hoje, para as quais existem métodos modernos de isolamento e manutenção que conferam aos produtos que fermentam um sabor e qualidade característica. Ou seja, ao utilizar linhagens pré-selecionadas de S. cerevisiae o produtor poderá padronizar o processo de fermentação e consequentemente obter produtos de sabor e qualidade reproduzíveis.

Agora, aplicando isto á frase "select a proper parent strain", parece-me que com o uso e como o crescimento do fungo durante o processo de fermentação, este sofre irreversíveis processos de mutação que (inevitávelmente, é assim com todos os seres organismos) alteram o seu padrão genético. Logo, ao fim de algum tempo o mesmo fungo não é genéticamente igual á parent strain e não irá confere ao pão as mesmas propriedades que o anterior. É então necessário voltar á seleccionar uma "parent strain" e voltar ao padrão genético da estirpe original...

isto é uma ideia :)

P.s quanto á oral, não te preocupes! Todos nós ficamos nervosos, os professores inclusivé!

SP said...

Obrigada, pelas tuas palavras. Quando só se tem a teoria, nunca se fez nada disto na prática, parece que os processos e métodos utilizados, fazem pouco sentido.

O meu curso ( analises clinicas)não tem muito haver com investigação, mas temos algumas cadeiras como biotecnologia ambiental e alimentar e biologia molecular, que nos dão cabo da mioleira;)